Domingo, 02.08.15

 

Eu esperava pelo primeiro fim-de-semana de agosto como quem espera por Deus. Eu sabia que nesse sábado e domingo acontecia

Santa Ana.jpg

 

 Eu nasci e vivi em Romariz, um lugar da freguesia de Meinedo, do concelho de Lousada, quase trinta anos. A capela de Sant’ Ana, também conhecida como da Pedra desde o séc. XVIII, dizia-me adeus fixa às suas penedias. Eu gostava de presenciar a colocação das bandeiras: do monte de Santana até à casa da quinta com o mesmo nome. Eu gostava de presenciar a construção do bazar em madeira, onde se acadimavam as prendas que depois iriam ser leiloadas. Eu gostava de presenciar a construção do palco, aonde atuariam o rancho e o conjunto típico. Eu gostava de presenciar a instalação das luzinhas multicores. Era o que mais eu gostava, talvez por serem multicores e me lembrarem o céu.

O mais importante eram os altifalantes. Sem eles não havia festa. Os altifalantes faziam a festa. Difundiam a música e dedicavam discos às pessoas, um facto muito apreciado. E havia os foguetes, sinal de festa e alegria. Sem eles também não havia festa. Por últimos, os tamborileiros, que percorriam a freguesia lembrando a existência da festa.

No sábado lavava-se o rosto ao monte e caminhos de acesso à capela e ornamentava-se tudo com as bandeiras multicolores. Ao fim da tarde começavam a instalar-se as barraquitas de quinquilharia, de comes e bebes e pouco mais.

Adorava ver aquilo tudo.

A noitada era pequenina, simbólica. Um estouro de duas dúzias de foguetes, com lágrimas, à meia-noite e estava tudo acabado. Que lindo! Para mim era tudo um sonho, um mundo encantado!

Contava seis, sete ou oito anos!...

No domingo, de manhã. Era o tempo da missa solene, presidida pelo padre Meireles, que fazia sempre um belo sermão – de fazer chorar a alma mais negra.

Alma lavada, emoções esquecidas, regueifa e uvas compradas, ala que se fazia tarde - o cabrito assado e o arroz no forno estavam à espera. E a meio da tarde, a Procissão Solene. Depois assistia-se ao despique da venda das prendas no bazar. Comprava-se umas cavacas, uns rosquilhos, antes do regresso a casa, mas não se arredava pé dali sem ver o rancho a fechar a festa.

E depois jantava-se sob a frescura da ramada na amenidade das conversas e da algazarra alegre das crianças e tudo se suspendia para olhar o fogo-de-artifício que encerrava as Festas da minha Padroeira, que para mim foram (são) sempre espetaculares e me remetem para um mundo de imensa saudade.

Que tempo tão belo! Que saudade!



publicado por José Carlos Silva às 12:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13.03.15
«Lousada Antiga» - Das origens à Primeira República -, é UMA obra que o Coronel Augusto Soares de Moura (da Nobre Casa da Lama, de Lodares) a todos presenteia com rara mestria e erudição. Obra dividida em dois volumosos e cuidadosos volumes. Sendo o primeiro volume dedicado ao Concelho e o segundo às Freguesias.


publicado por José Carlos Silva às 18:57 | link do post | comentar

As capelas fazem, pois, parte da nossa memória colectiva, sendo património é qualidade. É, por isso, crucial que se mantenha a memória, a qualidade, para que estas - as capelas - continuem a ser testemunhos da actualidade e futuro. E por muito “pobre” que uma capela seja, ela representa o passado, e, por isso mesmo, deve continuar a sua função - a de preservação de testemunho.



publicado por José Carlos Silva às 18:55 | link do post | comentar

Segunda-feira, 01.09.14

Padre Joaquim António de Mendonça Baldaia. - Casa de Além (Romariz-Meinedo-Lousada)

 

ADP-Seção Notarial, Po-1, 1ª Série, Lv nº 193, 1783, fl.



publicado por José Carlos Silva às 19:59 | link do post | comentar

 

Prazo - Casa de Romariz ou Casa D' Além

 

Feliz de Mendonça Baldaia Cerveira

 

ADP-Seção Notarial, Po-1, 1ª Série, Lv nº 49, 1781, fl. 1.



publicado por José Carlos Silva às 19:49 | link do post | comentar

Casa de Romariz (Casa D’ Além) – fl. 8-10;

Prazo – fl. – 20 – 22.

Dote de Casamento – fl. 45-46.

Contrato – fl. 57-58.

Dote de casamento do Dr. Francisco Soares de Moura, da Casa de Romariz ou D’ Além (Romariz – Meinedo – Lousada) – fl. 91-92.

 

ADP-Seção Notarial, Po-1, 1ª Série, Lv nº 42, 1853, fl. 8-10 e seguintes.



publicado por José Carlos Silva às 19:47 | link do post | comentar

Casa de Romariz (Casa D' Além) - Meinedo (Lousada)

 

ADP-Seção Notarial, Po-1, 1ª Série, Lv nº 130, fl. 27-28.



publicado por José Carlos Silva às 19:32 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.08.14

O Minho Pitoresco denomina-a de «Palacete» e conta, em breves frases o seu surgimento. Pinho Leal, no seu Dicionário Geográfico volta a repisar os mesmos fatos. A partir de meados do século XX esta a Casa d’ Além passa para o domínio da Casa da Ramada por razões diversas, sendo hoje pertença de um particular.

Reza a história que no século XVIII – há documentação que o atesta – António de Mendonça, senhor da Quinta da Capela, em Agilde, e de muitas outras propriedades, morreu sem deixar descendência, deixando tudo quanto possuía a seu irmão frei José de Mendonça, monge da Ordem de S. Bernardo. Este, por sua morte, e não tendo senão parentes remotos, deixou todos os seus haveres ao Dr. António Pinto Coelho Soares de Moura, da Casa da Lama, na freguesia de Santa Marinha de Lodares, e irmão do bravo general realista, Bernardino Coelho Soares de Moura.

O Dr. Soares de Moura ficou com uma casa que lhe rendia anualmente 300 carros de pão (12. 000 alqueires!).

Tendo então uma filha já casada na casa de Cabanelas, deu a sua Casa de Segade [Bustelo] a seu filho mais novo, o senhor doutor Francisco Pinto Coelho Soares de Moura e da Lama ao filho mais velho, Dr. António Manuel Pinto Coelho Soares de Moura.

É pois atual proprietário, por herança paterna, da Quinta de Romariz [D’ Além] o referido Dr. Francisco Pinto. É uma propriedade das melhores, e mais rendosa destes sítios, e o seu dono tem-na aumentado com valiosíssimas obras, sendo a principal a abertura de uma mina que produz grande abundância de água, a qual fez conduzir para a Quinta por canos de granito na extensão de 1200 metros.

Passa junto à Quinta um ribeiro no qual tem o proprietário alguns moinhos. Este ribeiro atravessa propriedades anexas à Quinta e toda a sua água, de verão e de inverno, pertence exclusivamente à mesma Quinta de Romariz.

 

Dicionário Geográfico, In PINHO LEAL

 

[A Quinta (de Romariz) e Casa D’ Além – Romariz – Meinedo] foi propriedade, durante séculos, dos meus avoengos maternos. Senhores que foram e pontificaram no concelho e em Meinedo até às primeiras décadas do século XX.

 

O Doutor Francisco Soares de Moura, desta Casa D’ Além foi um dos Lousadenses que assinou a ata da histórica reunião que levou à construção da majestosa Capela do Senhor dos Aflitos. Corria o formoso dia dois de abril de 1853.

 

Seria este mesmo senhor da casa D’ Além ou de Romariz que presidiria à Câmara de Lousada e seria administrador do concelho.

 

E seria este Doutor Francisco Soares de Moura, desta mesma Casa, que, a 12 de abril de 1854, se consorciaria a menina Emília Leopoldina de Magalhães Peixoto, da Casa de Vilar (Lodares). (ADP-Seção Notarial, Po-1, 1ª Série, Lv nº 42, fl., 1854.

 



publicado por José Carlos Silva às 18:30 | link do post | comentar

Da falta de visão

 

A coisa que mais me dói, que mais custa, é não haver visão, discernimento para obras de vulto. A mania de fazer pequenino, de pensar pequenino, mas gastar à grande e à francesa, hipotecando o futuro. E há quem o faça com um cínico sorriso nos lábios, é pena.

 

7 de janeiro de 2007, in diário, jcrs



publicado por José Carlos Silva às 13:10 | link do post | comentar

Terça-feira, 19.08.14

Na tomada de posse de Júlio Feijó (Casa de Vilar-Torno), 1908.

 

(…)

Doutor Joaquim Augusto da Silva Moura (Romariz-Meinedo) toma posse como Vereador, 1908.

 

Usou de seguida da palavra o senhor doutor Joaquim Augusto da Silva Moura, um dos membros da vereação.

Começou por declarar que não eram interesses ou simpatias pessoais que o obrigavam a aceitar o cargo para que o propunham, pois que no meio de tudo conservava o seu carater de independente; viu-se, no entanto obrigado a aceitar pelos reiterados pedidos de amigos, a quem era grato, e a quem, por consequência, não queria desgostar com uma formal desculpa. Politicamente apenas seguia um partido: era monárquico e como tal entrava para a nova vereação, prometendo desde já, a todos os seus colegas, uma leal coadjuvação em tudo e para tudo de que pudesse resultar um pouco de bem a esta terra, que amava com entranhado afeto.

Fez seguidamente o elogio senhor tenente-coronel Júlio Feijó, o amigo que mais instou com ele, para que aceitasse o cargo da futura vereação (…).

Jornal de Lousada, 1 de novembro de 1908, p. 2, nº 65.



publicado por José Carlos Silva às 15:45 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds