Sexta-feira, 22 de Abril de 2011

 

 

Um Baille Em Louzada

 

[…] No mundo fantástico, que se vive nos bailles, não deve comparecer só gente moça: os velhos dão-lhe um certo colorido; são espelhos que reflectem muita desilusão; são livros de filosophia que obrigão as donzellas a scismar.

Introduzido n’uma sala de baille de uma das primeiras casas de Louzada, depois de um leve toque de mão e de uma reverencia profunda aos donos da casa, passei revista ás flores animadas que enfeitavam a sala convertida em mimoso jardim.

D’ entre as tres gentis camelias do mesmo tronco destacava-se, e como pendia, a violeta, recortada sobre um dos braços de uma poltrona verde; os raios de meiguice e brandura, que fulgiao entre suas espessas pestanas d’ebano, denunciam a pureza de uma alma ingénua. Nao devia amargurar-se a sensitiva por ver alguém mirar-se em outras flores: nunca faltarão vassalos a quem reina pelo espírito e pelo sentimento. Talvez se quizera antes sozinha na encosta do seu valhe do que encontrar-se entre a multidão, a madre-silva: percorria com a vista todos os horisontes, mas os horisontes não lhe restituíam o satélite que um negro elipse fizera desaparecer. Estava triste mas sempre linda.

Acabada a primeira contra – dança, retirei-me para a casa aonde se fumava, e acendi um charuto. Estavam alli alguns pontos que não trajavam em rigor. Nas aldeas a festas de etiquetas só vai de casaca quem a tem, quem a não tem, os padres e os músicos vão de casaco.

A um canto do gabinete jogava-se um wisth tumultuário que divertia os circunstantes. Um dos quatro parceiros jogava apenas com cincoenta e duas cartas. Provocava questões e improvisava travessuras a um longo cachimbo, que segurava, ora a um ora a outro canto da boca, para se fazer senhor das cartas dos dois parceiros contrários, examinava em seguida as suas e depois equação fácil lhe era adivinhar as tres restantes do parceiro que tina em frente. Nenhum dos quatros; ainda que de diferentes escholas, jogava movido pelo interesse: mas era tão forte a vontade que o das cincoenta e duas de mostrar-se superior aos outros, que apesar do partido do partido de jogar com as cartas todas, renunciava todas as vezes que lhe convinha, para que ninguém lhe disputasse as honras de mestre.

O Capellão da casa era homem de ideas, mas arriscava-se quem lh’as contrariasse. Falou-me do concillio ecuménico, da desarmotisação dos passaes e da inflibilidade do Papa: a gesticulação, porém, com que acompanhava o seu discursar, era tão vehemente, tão descarregada á queima roupa, que me poz em retirada com medo de ficar cego. As unhas das mãos, com que me aggredia, eram tão aguçadas, que sem offensa dos códigos e regulamentos de policia deviam considerar-se como armas prohibidas.

Entrei de novo na casa do baile: dava-se sinal para uma walsa. Já que as minhas palavras gélidas não podiam ter echo no coração da violeta, tive a sinistra idéa de fazer-lhe andar a cabeça á roda – walsando -. Quando ella me dirigia para a tirar como parceira, sustive-me em meio do caminho, um traste luxuoso que guarnecia uma das paredes da sala: era um espelho que reflectia os meus cabelos brancos.

Procurei uma papoula. Lá estava meia à sombra de um magnífico jarrão de camélias. Tinha descalçado a mão esquerda e pareceu-me que ao levantar o leque que talvez a rede deixara cahir sobre um tapete. Sorvia uma pitada de meio grosso. Magra e angulosa offerecia contrastes salientes: o nariz aquilino, os olhos rasgados e vivos e o pé pequeníssimo tinha fumos aristocráticos; as faces cheias e rubicundas e a mão larga e o polegar excessivamente prolongado, eram d’ uma bunideira encartada,

Havia meia hora que tinha chegado d sua quinta das Caldas, aonde reside, e já distiguia os vestidos novos dos transformados, conhecia o nome e o preço das fazendas, das rendas e das fitas, o número de metros que em tudo isso se tinham gasto, sabia o nome das modistas que tinham fantasiado  e executado tanta elegância, em que dia chegaram do Porto todos os enfeites, e até a gratificação que se tinha dado ás recoveiras.

Apercebendo-se que eu com a resignação do martyr escutava silencioso a tirada das suas curiosidades:

- U. ainda prefere uma noite de baille a uma noite de theatro?

- Bailles e theatros são hoje os meus vícios.

- Também gosto muito.

- De charutos?

- Não! de bailles.

- O que é admirável é como estas famílias, que vivem em grandes distancias, se reúnem durante o inverno e se apresentam com tão boas toilletes!

- É o progresso. Afastados vão os tempos em que íamos ao theatro de Unhão, para onde não havia caminho nem carreira, passar uma noite inteira cheia de incommodos. São hoje outros os tempos. Não viu no pateo seis carruagens afora os char – à – banes? É o que fazem as estradas e as novas ideas que dão ás aldeãs fora de cidade. Não vê aquelle galope? É o vapor, a electricidade: as walsas do nosso tempo eram o carroção.

Para não adormecer fui conversar e fumar com os meus amigos, retirando-me depois de um opíparo almoço, penhorado pelas maneiras distinctas e continuados obséquios que prodigalisaram õs donos da casa.

 

Gazeta de Penafiel, quarta – feira, 02 de Fevereiro de 1870, Nº 9, p. 1

 

X



publicado por José Carlos Silva às 14:00 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds