Quarta-feira, 31 de Agosto de 2011

Nesta data era senhora da Casa da Moita, D. Maria da Conceição Além Duarte de Magalhães, esposa do senhor Bernardino Duarte de Magalhães. De referir ainda Antero Albino de Magalhães, residente no Rio de Janeiro e parente da Senhora

O Comércio de Penafiel, 1 de Maio de 1880, nº 421, p. 2


tags: ,

publicado por José Carlos Silva às 23:07 | link do post | comentar

Como esta comarca se recompôs de dois julgados, produziu aqui grande sensação o decreto último da extinção dos juízos ordinários (…).

Gazeta de Penafiel, 5 de Janeiro de 1870, nº 2, p. 3

Nota: [Um juiz ganhava 100$000 réis por ano e a edificação de um tribunal podia custar oito a 12 contos de réis.].

O antigo tribunal teve um custo que pouco ultrapassou os oito contos de réis (cito de memória). Este tribunal é a actual fachada da DAF (Serviços Camarários) virada para a renovada Avenida dos Senhores dos Aflitos. Este antigo edifício albergou, igualmente, o antigo Ciclo Preparatório, o Museu/Biblioteca de Lousada – de que foi Director o coronel Soares de Moura -, e ainda serviu de pouso à Banda de Música de Lousada.



publicado por José Carlos Silva às 22:24 | link do post | comentar

No próximo dia 11 de Setembro, o jardim do Sameiro acolhe o V Encontro Municipal de Etnografia, organizado pelo Grupo Folclórico de Penafiel, em colaboração com a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia de Penafiel.

A iniciativa começa pelas 9h30, quando se vai realizar uma arruada com os grupos de bombos aderentes, desde o Campo da Feira até ao Sameiro. Depois, a partir das 14h30, arrancam as actuações que se prolongam pela tarde. Este ano, participam 22 grupos, a saber: o Grupo de Bombos de Castelões, Zés pereiras ACFA Fonte Arcada, Grupo de Bombos da ADF Guilhufe, Tamborileiros da ADRAP – Galegos, Conjunto Zés Pereiras de S. Julião – Lagares, Grupo de Bombos da ACJ do Mozinho – Oldrões, Grupo de Bombos Toca a Moca – Portela, Zés Pereiras da ASSR de Rans, Grupo de Bombos de Recezinhos – São Mamede; Rancho Folclórico de Abragão, Rancho Folclórico da ADF Boelhe, Rancho Folclórico Infantil de Cabeça Santa, Grupo Folclórico de Duas Igrejas, Rancho Folclórico S. Pedro da Bela Vista – Galegos, Rancho Folclórico de Irivo, Grupo Folclórico de Penafiel, Rancho Folclórico de Pinheiro, Rancho Folclórico Zé do Telhado – S. Mamede de Recezinhos, Grupo de Cantares Os Montanheses da Capela, Grupo Canto de Abragão, Rancho As Moleirinhas de Guilhufe e Grupo Cantares da Capela.

 

V. Olhar



publicado por José Carlos Silva às 13:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 30 de Agosto de 2011

 

 

Descrição: Planta ectangular, de volume único com cobertura homogénea em telhado de duas águas. Fachadas em cantaria de granito, rebocada e pintada de branco, percorridas por soco saliente, também ele pintado e rebocado de branco, e rematada em frisos de betão. Fachada principal virada a SE., rematada em empena, com cruz latina no vértice, rasgada por portal em arco de volta perfeita, precedido por três degraus de mármore, e protegido por porta de duas folhas metálicas e vidro colorido martelado, enciadas por bandeira. Fachadas laterais semelhantes, rasgadas por frestas de volta perfeita. Fachada posterior em empena cega. INTERIOR rebocado e pintado de branco, percorrido por soco pintado de azul, com pavimento em ladrilho e cobertura de dois panos, rebocados e pintados de azul. Parede testeira com amplo nicho de volta perfeita, com o fundo e moldura pintados de azul, contendo pequeno altar e mísula de talha dourada com a imagem do orago.

 

 

Enquadramento: Rural, isolada, implantada a meia-encosta, junto ao Cemitério e à via pública, pavimentada a calçada de paralelepípedos, protegido por pequeno murete na fachada posterior. Nas imediações, situa-se a Igreja Paroquial de Covas / Igreja de São João Evangelista. Construção: Séc. 20.

Características Particulares: Capela muito simples e de pequenas dimensões, rasgada por amplo portal e janelas, que permitem uma iluminação intensa do interior. A mísula da imagem é vazada, ornada por acantos, de influência barroquizante

Materiais: Estrutura em betão, rebocada e pintada; pavimento em ladrilho cerâmico; mísula de talha; porta metálica com vidro martelado colorido; cobertura em telha cerâmica.

Diocese do Porto e Paula Figueiredo (IHRU) 2011 (no âmbito da parceria IHRU / Diocese do Porto)



publicado por José Carlos Silva às 20:59 | link do post | comentar

 

O Grupo Folclórico e Cultural das Lavradeiras do Vale do Sousa foi fundado no Natal de 1982 e representa fielmente a cultura etnofolclórica da região do Vale do Sousa, principalmente da freguesia de Meinedo, concelho de Lousada. Distrito do Porto, onde tem a sua Sede Social no lugar de Romariz, concluída com a ajuda dos associados, dos fundos comunitários e da Câmara Municipal de Lousada

Membro efectivo da Federação do Folclore Português desde 1990, tem levado bem longe as suas tradições, modas e cantares, usos e costumes percorrendo o país de lés a lés e no estrangeiro em Itália, Suécia e Espanha e França.
Possui há três anos um agrupamento infantil que será o garante da continuidade do Folclore nas terras de Meinedo. Os seus trajes são do mais fino e puro recorte e recolhidos nos baús das casas da terra e representam principalmente os trabalhos no campo, nomeadamente na cultura do linho que neste momento está a ser novamente implementada e desenvolvida pelo Rancho através de um Programa Cultural Comunitário.
Os instrumentos de tradição popular são a viola braguesa, concertina, cavaquinhos, violão, bombo e ferrinhos.
Na sua Sede Social, organiza um Festival Anual de Folclore, a Festa das Vindimas, a Festa das Colheitas e do Linho, bem como outras actividades culturais e folclóricas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Embaixador cultural de Lousada nas diferentes saídas que tem feito para as mais diversas regiões do país e do estrangeiro, leva sempre consigo a boa disposição destas gentes mas principalmente as tradições, usos e costumes dos seus avós e transmite aos jovens uma mensagem cultural e etnográfica relacionada com os trabalhos do campo e com os monumentos históricos de Meinedo, principalmente a sua Igreja Matriz, Românica, do Séc. XII, monumento nacional, que já foi sede de Bispado e que deu origem à actual diocese do Porto.
Meinedo é terra simples atravessada pela linha do caminho-de-ferro do Douro e noutro ponto é atravessada pelo Rio Sousa que dá o nome a este Vale de características muito próprias e de uma beleza natural ímpar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

Aninhas Perdigão: Alma Mater do «Grupo Folclórico e Cultural das Lavradeiras do Vale do Sousa»

 

O Grupo Folclórico é composto por 45 elementos e pretende ser o garante de um Folclore genuíno e fiel às tradições Magnetenses e apresenta dezenas de modas tradicionais entre elas a famosa Chula, o belo Verdegar, os Viras e os Malhões próprias desta região e ainda as famosas “modas” próprias dos trabalhos do linho e das vindimas, bem como da cultura do milho e da criação de gado que eram cantadas e dançadas no adro da Igreja, debaixo do carvalho ou ainda a caminho das Festas, Romarias e Feiras do Norte de Portugal.

In Blogue «Lavradeiras do Vale de Sousa»



publicado por José Carlos Silva às 20:31 | link do post | comentar

 

Editorial

Portugal, que assombrou o mundo com os fulgores de uma brilhante civilização e com as cintilações do seu génio descobridor, vem atravessando uma das mais temerosas crises de que nos dá conta a história, e é dever de todos quantos prezam o nome português trabalharem pelo ressurgimento da Pátria, para que ela se levante nimbada de esplendores e pujante de vida, do insondável baralho em que se encontra.   

Jornal de Louzada, 11 de Agosto de 1907, nº 1


tags:

publicado por José Carlos Silva às 16:48 | link do post | comentar

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2011

Em 18 de Janeiro de 1773 eram padres das freguesias de Lodares e Nespereira os abades: Baltazar Gomes Ferreira e Gaspar Teixeira Alves, respectivamente. Era tabelião do concelho de Lousada, António Teixeira Guimarães.

Os dois abades, de Nespereira e de Lodares, envolveram-se numa contenda – sem limites e fim à vista – ao redor dos limites das duas freguesias. Contenda que se prolongou no tempo dando origem a um volumoso tratado intitulado: «Limites da Freguesia de Lodares».



publicado por José Carlos Silva às 23:59 | link do post | comentar

 

 

Títulos, Cargos e Profissões dos Proprietários de Lousada nos Séculos XVI a XIX

 

Casa

 

Proprietário

 

Título/Cargo/Profissão

 

 Ano

 

 

 

 

 

 

Bouça

Agostinho Pinto de Azevedo20

 

1728

Tomé Luís Araújo Castelo Branco21

Capitão.

 

1774

 

António Cabral de Noronha e Meneses22

 

 

 

 

Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra.

Administrador do Concelho de Lousada.

Conselheiro Municipal.

Juiz ordinário e administrador do concelho de Lousada.

1843

 

1846

1851

1852

 

Henrique Cabral de Noronha e Meneses23

 

Presidente da Câmara de Lousada.

 

 

1845

 

Felisberto Cabral de Noronha Menezes24

 

Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra.

Conselheiro. Deputado às Cortes.

 

1858

 

1861

 

Joaquim Cabral de Noronha e Menezes25

Governador Civil.

 

1887

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

________________________________

 

20 - A.D.P., Secção Notarial, Po-1, 1ª série, Livro n.º 7, 1728, fl. 82 a 83. CF. NÓBREGA, Artur Vaz-Osório da - o. c., p. 150.

21 - NÓBREGA, Artur -Vaz Osório da - o. c. , p. 148. Cf. Presidentes da Câmara Municipal de Lousada Desde 1838 até 1900…, p. 18 - 23; A. M. F. - Livro de registo das actas, acórdãos e vereações do concelho de Lousada., 1828, fl. 1.

22 - Presidentes da Câmara Municipal de Lousada Desde 1838 até 1900…, p. 23.

23 - Presidentes da Câmara Municipal de Lousada Desde 1838 até 1900…, p. 23.

24 - A.D.P., Secção Notarial, Po-4, 2ª série, Livro nº 172, 1852, fl. 92.

25 - VIEIRA, José Augusto - o. c. p. 358. Cf. Presidentes da Câmara Municipal de Lousada Desde 1838 até 1900…, p. 40, NÓBREGA, Artur Vaz-Osório da - o. c. , p. 148.



publicado por José Carlos Silva às 01:09 | link do post | comentar

Domingo, 28 de Agosto de 2011

Em 1855 era Secretário da Administração, em Lousada, António Pacheco Soares e Manuel Joaquim Marques, Amanuense da Administração, António Joaquim, Oficial de Diligências e o Tabelião, Bernardino António Barbosa.

 

ADP, Po-2, 2ª Série, 1855, Lv nº 46, fl ()



publicado por José Carlos Silva às 15:02 | link do post | comentar

[Torre+de+Vilar1+-+Lousada+-+Foto+Fmars.jpg]

Trata-se de uma edifícação em boa cilharia de pedra, assente em argamassa e com dupla folha de parede. É de arquitectura militar e civil particular românica. Residência senhorial. .A data de edificação da torre de Vilar do Torno situa-se entre os finais do século XIII e os primeiros anos da centúria seguinte, havendo algumas dúvidas na datação devido ao facto de apresentar soluções estruturais ainda de gosto românico.Pode afirmar-se, no entanto, que a estrutura do torreão estava já completa em 1434.A Torre de Vilar foi edificada como uma manifestação de poder senhorial.



publicado por José Carlos Silva às 14:32 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds