Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

A maior parte das capelas datam do séc. XVIII. Raras são aquelas que se podem datar no séc. XVII.

Do séc. XIX só a capela do Sr. dos Aflitos e do séc. XX só a capela de St.º Amaro, que foi ampliada e transformada em 1981 numa capela moderna, já que na origem remontava ao séc. XVIII, era do tipo de S. Gonçalo de Macieira.

Quase todas são de pequenas dimensões, excetuando-se as capelas do Sr. dos Aflitos, Sr.ª Aparecida e N. Sr.ª da Ajuda.

Normalmente localizam-se em locais, em pontos ou num ponto alto da freguesia, se calhar para estarem próximo de Deus ou para exorcizarem a apotropaicizarem, o espaço envolvente de entes malignos.

Estão - na sua grande maioria - em locais isolados, longe da sede da freguesia (Sant’ Ana, S. Gonçalo - Lustosa, etc.).

Há afinidades entre elas, a nível tipológico. A capela de St.º Ovídio, a capela de S. Gonçalo, a capela de N. Sr.ª da Conceição, a capela de St.ª Águeda, são constituídas por um alpendre, uma galilé, sustentado por colunas de granito ou de ferro (N. Sr.ª da Conceição), ou de cimento (S. Gonçalo - Lustosa).

São quase todas construídas em granito.Com cruz latina. Com remates do entablamento piramidais.

Na sua construção - arquitetura - nota-se um cunho popular (artistas da terra, da região, sujeita a condições sócio económicas, sem o “academismo” imposto, vindo dos grandes centros urbanos.

Raras são as capelas que têm pia batismal; exceto a capela de N. Sr.ª das Necessidades e do Sr. dos Aflitos.

O estado de conservação das capelas Públicas é bom de uma forma global.

Quase todas as capelas foram sujeitas, ao longo dos tempos, a obras de restauro e ampliação.

Na sua grande maioria são - e estão - bem preservadas.

A grande lacuna - nelas todas - é a falta de um adequado projeto de valorização. As capelas são - e quase só - conhecidas dos devotos de santo ou santa da sua invocação e dos habitantes da localidade onde está implantada. Mesmo as capelas da Vila não têm tido a projeção a que têm direito. A grande lacuna reside neste capítulo, assim como nos restauros que são realizados e que nem sempre obedecem ao rigor desejado.



publicado por José Carlos Silva às 07:28 | link do post | comentar

Domingo, 27 de Novembro de 2011

Terra de gente humilde e bem-disposta, terra de ar puro e de sorrisos perdidos entre as conversas de vizinhos esta maravilhosa freguesia fica situada no Concelho de Ribeira Grande, na Ilha de São Miguel - Açores.


tags:

publicado por José Carlos Silva às 11:05 | link do post | comentar


CAPELA DE NOSSA SENHORA DA LAPA - SOUTELO

A capela de Nossa senhora da Lapa, está situada na freguesia de Soutelo, perto da vila de Vieira do Minho, Norte de Portugal.


publicado por José Carlos Silva às 11:00 | link do post | comentar

Sábado, 26 de Novembro de 2011

 

A maior parte das capelas datam do séc. XVIII. Raras são aquelas que se podem datar no séc. XVII.

Do séc. XIX só a capela do Sr. dos Aflitos e do séc. XX só a capela de St.º Amaro, que foi ampliada e transformada em 1981 numa capela moderna, já que na origem remontava ao séc. XVIII, era do tipo de S. Gonçalo de Macieira.

Quase todas são de pequenas dimensões, excetuando-se as capelas do Sr. dos Aflitos, Sr.ª Aparecida e N. Sr.ª da Ajuda.

Normalmente localizam-se em locais, em pontos ou num ponto alto da freguesia, se calhar para estarem próximo de Deus ou para exorcizarem a apotropaicizarem, o espaço envolvente de entes malignos.

Estão - na sua grande maioria - em locais isolados, longe da sede da freguesia (Sant’ Ana, S. Gonçalo - Lustosa, etc.).

Há afinidades entre elas, a nível tipológico. A capela de St.º Ovídio, a capela de S. Gonçalo, a capela de N. Sr.ª da Conceição, a capela de St.ª Águeda, são constituídas por um alpendre, uma galilé, sustentado por colunas de granito ou de ferro (N. Sr.ª da Conceição), ou de cimento (S. Gonçalo - Lustosa).

São quase todas construídas em granito.Com cruz latina. Com remates do entablamento piramidais.

Na sua construção - arquitetura - nota-se um cunho popular (artistas da terra, da região, sujeita a condições sócio económicas, sem o “academismo” imposto, vindo dos grandes centros urbanos.

Raras são as capelas que têm pia batismal; exceto a capela de N. Sr.ª das Necessidades e do Sr. dos Aflitos.

O estado de conservação das capelas Públicas é bom de uma forma global.

Quase todas as capelas foram sujeitas, ao longo dos tempos, a obras de restauro e ampliação.

Na sua grande maioria são - e estão - bem preservadas.

A grande lacuna - nelas todas - é a falta de um adequado projeto de valorização. As capelas são - e quase só - conhecidas dos devotos de santo ou santa da sua invocação e dos habitantes da localidade onde está implantada. Mesmo as capelas da Vila não têm tido a projeção a que têm direito. A grande lacuna reside neste capítulo, assim como nos restauros que são realizados e que nem sempre obedecem ao rigor desejado.

 

 SILVA, José Carlos - As Capelas Publicas de Lousada



publicado por José Carlos Silva às 19:09 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2011

 

Lousada é uma vila portuguesa no Distrito do Porto, região Norte e sub-região do Tâmega.

É sede de um pequeno município com 94,89 km² de área e subdividido em 25 freguesias. O município é limitado a norte pelo município de Vizela, a nordeste por Felgueiras, a leste por Amarante, a sul por Penafiel, a sudoeste por Paredes e a oeste por Paços de Ferreira e Santo Tirso. As freguesias sede do concelho são Silvares e Cristelos.

O concelho de Lousada é um município fortemente industrializado, de modo particular na indústria têxtil. No entanto, tal facto não impede de possuir ainda um cariz profundamente agrícola, sobretudo no domínio dos vinhos verdes e lacticínios, com a existência de várias empresas agro-industriais bastante desenvolvidas tecnologicamente.

Apesar da pequena dimensão, Lousada caracteriza-se pela forte aposta em modalidades com pouco relevo no panorama nacional, como o automobilismo ou o hóquei em campo, indo assim além do “tradicional” futebol.

Para conhecer um pouco mais sobre esta cidade, consulte a sua História, saiba mais sobre os seus monumentos e Património, conheça a sua Gastronomia e pratos típicos e descubra quais as Festas Populares da cidade.

Pode também consultar locais Onde Comer e Onde Dormir, para que possa comodamente marcar e preparar a sua visita a esta bela cidade portuguesa.

Para conhecer um pouco mais sobre Lousada, consulte o site www.lousada-digital.com e saiba mais sobre a sua História, os seus monumentos e Património, conheça a sua Gastronomia e pratos típicos e descubra quais as Festas Populares da cidade.

 


tags:

publicado por José Carlos Silva às 17:49 | link do post | comentar

Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011


publicado por José Carlos Silva às 08:34 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16 de Novembro de 2011

Igreja de Santa Maria ou de Nossa Senhora das Neves  1 - Lousada - Foto IPPAR

Consagrada em 1262, a Igreja Matriz de Meinedo é dedicada a Santa Maria desde a sua fundação, integrando actualmente a Rota do Românico do Vale do Sousa. Segundo a tradição, este edifício românico substituiu outro templo, fundado antes da ocupação árabe da península, onde teriam sido depositadas as relíquias de Santo Tirso.

De planta longitudinal, a igreja ergue-se sobranceira à vila, sendo precedida por escadaria. Conjuga os volumes escalonados da nave, de secção rectangular, e da capela-mor, rectangular. A fachada é rasgada por portal de arco apontado com quatro arquivoltas, encimado por um pequeno nicho de volta perfeita vazado. O frontispício é rematado em empena com cruz.

Do lado direito foi edificada, no século XVIII, a torre sineira, rematada com coruchéu. Nas fachadas laterais foram abertos portais de volta perfeita, actualmente entaipados, sendo o remate dos panos murários pontuado pela disposição de cachorros.

O interior foi bastante modificado em campanhas decorativas executadas nos séculos XVII e XVIII. O espaço da nave é coberto por tecto de madeira com friso pintado, dispondo-se na parede do lado da Epístola o púlpito, e na parede fronteira um nicho com a imagem policroma de Santa Maria.

O arco triunfal é coberto por talha dourada, sendo ladeado por dois altares de talha. A capela-mor, coberta por tecto de caixotões pintados, é forrada por azulejos policromos seiscentistas, e ao centro foi disposto o grande retábulo setecentista, de talha dourada, decorado com temática mariana.

 

Consagrada em 1262, a Igreja Matriz de Meinedo é dedicada a Santa Maria desde a sua fundação, integrando actualmente a Rota do Românico do Vale do Sousa. Segundo a tradição, este edifício românico substituiu outro templo, fundado antes da ocupação árabe da península, onde teriam sido depositadas as relíquias de Santo Tirso.

 

De planta longitudinal, a igreja ergue-se sobranceira à vila, sendo precedida por escadaria. Conjuga os volumes escalonados da nave, de secção rectangular, e da capela-mor, rectangular. A fachada é rasgada por portal de arco apontado com quatro arquivoltas, encimado por um pequeno nicho de volta perfeita vazado. O frontispício é rematado em empena com cruz.

 

Do lado direito foi edificada, no século XVIII, a torre sineira, rematada com coruchéu. Nas fachadas laterais foram abertos portais de volta perfeita, actualmente entaipados, sendo o remate dos panos murários pontuado pela disposição de cachorros.

 

O interior foi bastante modificado em campanhas decorativas executadas nos séculos XVII e XVIII. O espaço da nave é coberto por tecto de madeira com friso pintado, dispondo-se na parede do lado da Epístola o púlpito, e na parede fronteira um nicho com a imagem policroma de Santa Maria.

 

O arco triunfal é coberto por talha dourada, sendo ladeado por dois altares de talha. A capela-mor, coberta por tecto de caixotões pintados, é forrada por azulejos policromos seiscentistas, e ao centro foi disposto o grande retábulo setecentista, de talha dourada, decorado com temática mariana.

 

 

Consagrada em 1262, a Igreja Matriz de Meinedo é dedicada a Santa Maria desde a sua fundação, integrando actualmente a Rota do Românico do Vale do Sousa. Segundo a tradição, este edifício românico substituiu outro templo, fundado antes da ocupação árabe da península, onde teriam sido depositadas as relíquias de Santo Tirso.

 

De planta longitudinal, a igreja ergue-se sobranceira à vila, sendo precedida por escadaria. Conjuga os volumes escalonados da nave, de secção rectangular, e da capela-mor, rectangular. A fachada é rasgada por portal de arco apontado com quatro arquivoltas, encimado por um pequeno nicho de volta perfeita vazado. O frontispício é rematado em empena com cruz.

 

Do lado direito foi edificada, no século XVIII, a torre sineira, rematada com coruchéu. Nas fachadas laterais foram abertos portais de volta perfeita, actualmente entaipados, sendo o remate dos panos murários pontuado pela disposição de cachorros.

 

O interior foi bastante modificado em campanhas decorativas executadas nos séculos XVII e XVIII. O espaço da nave é coberto por tecto de madeira com friso pintado, dispondo-se na parede do lado da Epístola o púlpito, e na parede fronteira um nicho com a imagem policroma de Santa Maria.

 

O arco triunfal é coberto por talha dourada, sendo ladeado por dois altares de talha. A capela-mor, coberta por tecto de caixotões pintados, é forrada por azulejos policromos seiscentistas, e ao centro foi disposto o grande retábulo setecentista, de talha dourada, decorado com temática mariana.

 

 

 

Igreja de Santa Maria ou de Nossa Senhora das Neves  2 - Lousada - Foto IPPAR

 

 

 

(Fonte: IPPAR)

 

Em 2008

 

 



publicado por José Carlos Silva às 21:55 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Novembro de 2011



publicado por José Carlos Silva às 18:12 | link do post | comentar

Domingo, 13 de Novembro de 2011
 

 Cruzeiro Paroquial de Nevogilde

 

Com este trabalho pretendemos fazer o levantamento de todos os Cruzeiros do concelho de Lousada, muitos deles com mais de um século de antiguidade. Queremos referenciar e divulgar este valiosíssimo património.

A tarefa a que nos propusemos não foi fácil. O material literário de apoio é escasso. Aliás, sobre os Cruzeiros de Lousada não há qualquer tipo de informação credível.

Ao partirmos para esta investigação tivemos em mente desvendar o misticismo que envolve os Cruzeiros e procurar perceber qual a importância que estes têm ou tiveram na vida das pessoas. 

A elaboração deste trabalho decorreu em duas frentes: trabalho de gabinete e de campo.

Na Biblioteca Municipal do Porto, na da Faculdade de Letras do Porto, na de Lousada, na de Penafiel e no Arquivo Municipal de Lousada consultamos manuais onde obtivemos preciosa informação.

No terreno procuramos contactar com a realidade. Fomos a cada uma das vinte e cinco freguesias à procura dos Cruzeiros para nos inteirarmos da sua tipologia, da localização, do material empregue na edificação, do seu valor artístico e estado de conservação.

Ao longo deste trabalho concluímos que para melhor percebermos cada um dos Cruzeiros, deveríamos, primeiro, conhecer o local onde estão inseridos. Assim, optamos por elaborar uma breve caracterização geográfica, histórica e actual do concelho e de cada uma das freguesias.

 

Cruzeiros de Lousada, VIEIRA, Leonel 



publicado por José Carlos Silva às 14:53 | link do post | comentar

Sábado, 12 de Novembro de 2011

Séc. XVIII



publicado por José Carlos Silva às 17:29 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds