Sábado, 31 de Março de 2012



publicado por José Carlos Silva às 14:23 | link do post | comentar



publicado por José Carlos Silva às 14:19 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30 de Março de 2012


publicado por José Carlos Silva às 22:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29 de Março de 2012

Tal como o seu nome indica, esta freguesia reporta-nos para a existência de "castros". De facto há nesta freguesia vestígios da existência de um povoado da Idade do Ferro mais tarde romanizado.
O primeiro documento que nos reporta para esta freguesia é uma carta de doação, datada de 980, que Dona Vivili e seu marido Fromarigo Espassandes fazem ao mosteiro de Vilela da Igreja de Santo André de Cristelos.
Na Idade Média surgem diversos documentos sobre esta freguesia, que dão conta de vários casais foreiros de diversos mosteiros, como o de Vilela, o de Cete e o de Santo Tirso.
Nas Inquirições de 1258, o pároco de Santo André de Cristelos, Martinho Pires com as restantes testemunhas, relata que a igreja pertencia a herdadores e ao Mosteiro de Vilela, mas cuja apresentação dependia do Bispo do Porto.
Nas Inquirições de D.Dinis no lugar de Cristelos constavam três casais do mosteiro de Santo Tirso que eram honrados porque tinham sido de D. Gonçalo de Sousa.
As Memórias Paroquiais de 1758 referem que o abade é apresentação alternativa do Bispado do Porto e dos religiosos de Santo Agostinho do Convento de Nossa Senhora do Pilar.
Igreja: A Igreja de Cristelos destaca-se pela sua dimensão e pelo ritmo das suas partes. Na fachada descobrem-se alguns elementos dos finais do Barroco, com tendência clara para o Rocócó, numa leitura regional e algo cândida, designadamente no rebuscado frontão da fachada.
Capelas: A Capela de Nossa Senhora da Conceição vem já referida no Catálogo dos Bispo do Porto, facto que revela a sua antiguidade. A Capela de Nossa Senhora do Loreto constituiu, em tempos, antes da edificação da Capela do Senhor dos Aflitos, o promontório por excelência da Vila.
Outros locais de interesse: O Castro de São Domingos testemunha o ancestral povoamento desta terra. As casas da Ribeira e da Costilha são dois belos solares, cabeças de exploração agrícola e berço de algumas das mais altas individualidades do Concelho.

 

IN SITE DA CÂMARA DE LOUSADA


tags:

publicado por José Carlos Silva às 20:33 | link do post | comentar

A Igreja de Cristelos destaca-se pela sua dimensão e pelo ritmo das suas partes. Na fachada descobrem-se alguns elementos dos finais do Barroco, com tendência clara para o Rocócó, numa leitura regional e algo cândida, designadamente no rebuscado frontão da fachada. No interior destaca-se com imponência o altar barroco de estilo nacional em talha dourada.



publicado por José Carlos Silva às 20:29 | link do post | comentar

Terça-feira, 27 de Março de 2012

 

 

A Torre de Vilar é um belo exemplar de arquitetura civil medieval, no qual encontramos

algumas permanências do Românico. A sua índole castrense tem vindo a ser discutida por vários investigadores desde os finais do século XIX e o debate em torno da sua primordial funcionalidade parece ter seguimento. Mas as dúvidas estendem-se a outras interrogações fundamentais para o entendimento desta construção. Persiste uma total ignorância quanto ao encomendador desta torre e quanto à conjuntura político-social que lhe esteve associada. Algumas soluções técnicas adotadas na sua construção também têm suscitado muitas argumentações a vários investigadores.

Só será possível responder a estas questões quando a Torre de Vilar deixar de ser entendida, sobranceiramente, como uma mera obra arquitetónica e passar a ser alvo de intervenções que O Românico em Lousada: a Torre Medieval de Vilar tenham por base o trabalho pluridisciplinar que promova uma compreensão de conjunto, estrutural e competente. Mais do que avançarmos com mais uma abordagem descritiva da torre importa analisar o que vários autores escreveram sobre ela ao longo dos tempos para se compreender sobre que tipo de fontes estão apoiados os principais estudos que

a este monumento se referem.

As Inquirições de1220 e de 1258 não mencionam a torre, tendo vindo a ser utilizado este dado por vários investigadores para estabelecer a sua cronologia. Nas Inquirições de Dom Dinis nada é mencionado.

IN Suplemento do Património. O Românico em Lousada: a Torre Medieval de Vilar, Cristiano Cardoso.



publicado por José Carlos Silva às 21:18 | link do post | comentar

Moinhos: memória que urge preservar. Cerca de trinta mil é o número de moinhos que existem em todo o território português: de vento e de água. No ano de 1962 existiam 2895 de vento e 31 903 de água. A verdade é que a maioria se encontra ao abandono e outros tantos em ruínas.

A década de sessenta e setenta do século vinte foi fatal para este tipo de património edificado, pois muitos foram aqueles que partiram «para a guerra colonial e outros emigraram, deixando os moinhos ao abandono. Com a industrialização, deixou de ser rentável. Foi o fim de uma estrutura produtiva», afirma Jorge Miranda, da Rede Portuguesa de Moinhos, ao Diário de Notícias de hoje. E o caminho mais correcto é recuperá-los para o turismo rural, fomentando projectos integrados de desenvolvimento entre autarquias e empresas, no sentido da sua salvaguarda, preservação, assim como dinamização cultural e interacção com o meio: as actuais gerações (e as vindouras) devem ter a noção do que é uma unidade moageira – um moinho. Por outro lado é um núcleo ou núcleos museológicos que são criados, emprestando ao concelho ou à região um valor acrescentado.

Lousada encerra inúmeros moinhos a merecer o olhar, a atenção de quem de direito, para que este belo património não desapareça, pelo contrário, renasça. No Vale de Sousa existem múltiplos exemplos deste milenar património a merecer a atenção de autarcas e outros responsáveis.

O património é memória colectiva: memória de todos, memória que urge cuidar e preservar. E os moinhos são património, logo memória, que urge cuidar, que urge preservar.



publicado por José Carlos Silva às 16:50 | link do post | comentar

Domingo, 18 de Março de 2012


Títulos, Cargos e Profissões dos Proprietários de Lousada no Século XVI a XIX

 

 

Casa

 

Proprietário

 

Título/Cargo/Profissão

 

 Ano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Outeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

José Bernardo de Castro de Meireles65

Depositário do Cofre dos Órfãos do Concelho de Unhão.

1779

 

 

António João de Castro e Araújo66

 

Capitão.

 

1768

 

 

José Joaquim de Castro Neves67

Bacharel.

1848

 

Casimiro de Castro Neves68

Bacharel e doutor em direito, pela Universidade de Coimbra, onde leccionou a cadeira de Direito Universal.

 

 

 

1848 – 1849

 

 

 

 

Redactor dos jornais: “A Pátria”, “O Portugal” e “A Nação.”

 

 

 

 

Fundador do “Club Portuense.

1856

 

Presidente da primeira Assembleia do “Club Portuense.”

 

 

1856

 

Vereador da Câmara de Lousada.

 

 

 

1858

 

Presidente da Câmara Municipal de Lousada.

1846-1847,

1859-1861 e

1862-1863

 

 

Procurador à Junta Geral do Distrito.

1865

 

 

Conselheiro Municipal.

 

1865

 

Integrou a “Comissão para secundar a Direcção do Palácio de Cristal na sua Exposição Internacional.”.

 

1865

 

 

 

 

 

Presidente do Conselho Fiscal da Companhia de Mineração de Plombífera de Adorigo.

1867

 

 

 

Director da primeira Assembleia-Geral da Companhia de Mineração Plomblífera de Adorigo.

1881

 

 

 

 

António de Sousa Castro Neves69

 

Vereador da Câmara de Lousada.

 

 

 

Frei José de S. Joaquim de Castro Freire Meireles70

O último Abade do Mosteiro de Bustelo.

 

Manuel Casimiro Castro de Sousa Guedes71

 

Bacharel em direito pela Universidade de Coimbra.

Administrador da empresa “Sousa e Guedes & Irmão”.

1892-1975

 

 

________________________________   

63 - Presidentes da Câmara Municipal de Lousada desde 1838 até 1900…, p. 30. Cf. FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 254; VIEIRA, José Augusto - o. c., p. 361, A.D.P., Secção Notarial, Po-1, 1ª série, Livro  n.º 101, 1801, fl. 87.

64 - Presidentes da Câmara Municipal de Lousada desde 1838 até 1900…, p. 30. Cf. FREITAS, Eugéneo de Andrea da Cunha e - o. c., p. 254; VIEIRA,

65 - A. M. F. ”Livro de registo dos actos da correição da câmara do concelho de Unhão, 1779, fl. 52. Cf. A. D. B. - Registo Geral, Livro n.º 188, 1768, fl. 295.

 

IN «A Casa Nobre No Concelho de Lousada» - SILVA, José Carlos



publicado por José Carlos Silva às 21:37 | link do post | comentar



publicado por José Carlos Silva às 21:27 | link do post | comentar

Torno – P. Miguel Coelho Peixoto da Costa

Jornal de Lousada, nº 25, p. 2, 26 de janeiro de 1908

 

Cristelos – P. Joaquim Coelho da Silva

Jornal de Lousada, nº 26, p. 3, 2 de fevereiro de 1908

 

- Casa da Veiga - Torno - José Sebastião Cardoso de Meneses – ex – deputado às cortes.

Jornal de Lousada, nº 26, p. 3, 23 de fevereiro de 1908



publicado por José Carlos Silva às 00:47 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds