Terça-feira, 8 de Novembro de 2011

 DN (05NOV) dá conta da paragem do processo de produção das Pandur, enquanto que o CM da mesma data (Ponto de Encontro), para além de noticiar as comemorações dos 75 anos da instalação da Escola Naval no Alfeite, traz-nos vários convívios de Ex-Combatentes, uma persistente manutenção da memória de laços de amizade e camaradagem cimentados nas condições dificílimas em que a Guerra decorreu.

O DN (06NOV) trata o Despacho de Sua Exa. o CEME, em que, forçado pelas dificuldades do momento actual, se faz cessar o abono das 1ª e 3ª refeições aos militares que se encontram a mais de 100 Km da guarnição militar da sua preferência (normalmente associada, tanto quanto possível, à residência). No fundo, mais uma vertente da crise que os militares e os restantes cidadãos enfrentam, neste caso, para nós, muito mais sentida face à mobilidade a que somos sujeitos.

O JN (06NOV) fala da possível extinção da PJM, com referência a um despacho da Lusa que também coloca como hipótese a sua integração na PJ.

O CM (06NOV) traz-nos memórias da guerra na primeira pessoa.

O Diário de Leiria (07NOV) dá-nos conta da inauguração de mais um Monumento em honra dos Ex-Combatentes, em Marrazes, uma “pedra” mais na preservação do “edifício” da nossa memória colectiva.

O Presidente da AOFA participou no programa “Este Sábado”, na RDP - Antena 1. Sem papas na linha, numa curta intervenção, colocou as questões no seu devido sítio: pobreza, BPN, enriquecimento ilícito, etc. Na minha opinião fez muito bem, uma vez que uma boa parte das nossas dificuldades como País e como cidadãos entroncam nesses aspectos, sendo quase impossível defendermos os nossos direitos e vê-los compreendidos pelo resto da população, se não integrarmos o desrespeito e desconsideração a que somos sujeitos no quadro global. E porque a sua intervenção não foi aproveitada na íntegra, permito-me juntar o texto que a suportou.

 

7/11/11

 

 

O Responsável pelas Relações Públicas da AOFA

 

Tasso de Figueiredo

 

 

COR TPAA

 

 

Texto de apoio ao depoimento do Presidente da AOFA nesse programa

 

O anúncio do referendo na Grécia e a demissão das chefias das Forças Armadas suscitaram-me a mim e, certamente, a muitos outros concidadãos algumas interrogações.

Acima de tudo pelas semelhanças existentes entre os dois países. Porque, tal como na Grécia, de há vários anos a esta parte que, em sucessivas levas de austeridade, com repetidas promessas de que os sacrifícios são solução para os problemas existentes, o que vemos???

A generalidade da população alvo de investidas contra os seus direitos e dignidade, enquanto alguns, acumulando riqueza sem limite, ao mesmo tempo que ditam regras, vão esvaziando a DEMOCRACIA de sentido!

E, aqui, não posso despir a condição que é a minha, de militar. Para dizer que não foi para isto que os militares há 37 anos atrás fizeram o 25 de Abril. Em nome da justiça e da liberdade do povo a que pertencem e que, como ele, têm sido e são hoje igualmente alvos de continuadas injustiças. Generosamente e em bandeja dourada entregaram o poder aos políticos para exercerem a democracia!

Mas não é isso a que assistimos, porque:

-Democracia não são centenas de milhar de desempregados;

-Democracia não são cerca de dois milhões de pobres, muitos dos quais sem acesso aos mais básicos e elementares direitos de cidadania;

-Democracia não é o desmantelamento dos serviços públicos e das funções sociais do Estado, embrulhando aqui as Forças Armadas, um dos pilares fundamentais da soberania desta nossa Pátria, ao mesmo tempo que se empobrece uma população inteira, à excepção de alguns, os principais causadores da situação com que o País se debate;

-Democracia não é transferir 3 mil milhões de euros para o BPN à custa da nossa austeridade, ao mesmo tempo que os praticantes, causadores e beneficiários de criminosas tropelias não são chamados sequer a comparticipar nos sacrifícios impostos sempre aos do costume;

-Democracia não é retirar os subsídios de férias e de Natal, essenciais para colmatar os magros salários dos que trabalham, enquanto diariamente são transferidos cerca de 6 milhões de euros para offshores e se prevê a injecção de astronómicas somas no sistema financeiro adicionadas a colossais somas já arrecadadas, à custa dos do costume;

-Democracia não é praticar políticas que geram gritantes desigualdades no acesso à justiça;

-Enfim, democracia não é muitas outras coisas mais que, a exiguidade do tempo de que disponho, não o permite dizer.

E é por isso que, nós, militares, fiéis ao espírito e legado dos que conquistaram a liberdade e quiseram a democracia para este país, dizemos que, se ou quando as nossas gentes vierem manifestar a sua indignação, exercendo o seu direito de cidadania e exigindo equidade de tratamento, não estamos disponíveis para alinhar na repressão daqueles para quem quisemos e continuamos a querer que beneficiem de uma efectiva democracia.

Portanto, pratiquem-na, Srs. governantes!

E é, porventura, aqui que reside a grande diferença entre o que se passa na Grécia e o que acontece neste meu país: os militares têm um legado que desejam respeitar mantendo-se fiéis à democracia e à Constituição que juraram defender!

 

Tasso de Figueiredo

 

COR TPAA

 

 



publicado por José Carlos Silva às 07:08 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds