Segunda-feira, 6 de Agosto de 2012

 

 

Na terra que me viu nascer e onde me fiz gente, este fim-de-semana marca-se por um acontecimento que povoa o imaginário de todos que aí despertaram para o sonho da vida, aprenderam a trilhar os caminhos do sonho e brincaram aos índios, aos cobóis, aos ladrões e nos dias de menos calor sentaram-se nos penedos que sobrepuja a secular e bela capela de Nossa Senhora Santana.

Não havia residente de Romariz – mesmo de Meinedo e arredores – que não desejasse o primeiro fim-de-semana de Agosto, pois era o momento em que se festejaria a romaria em honra de Santa Ana.

Desde sempre uma romaria singela. Durante anos e anos sem noitada no sábado. Este dia era reservado à deambulação dos tamborileiros por todo o território da freguesia, lugar a lugar, rua a rua, casa a casa, numa festiva e esplendorosa alegria, vergada a uma simplicidade de sorrisos num emaranhado de gestos e num bailado de rostos que de mãos estendidas solicitavam uma oferta para Santa Ana (dinheiro ou géneros). Géneros? Pois obviamente, adornariam as prateleiras do bazar que todos os anos se erguia a poucos metros da capela e cuja liquidez, resultante do leilão, reverteria para a receita que pagaria as despesas do fausto evento.

O sábado servia, igualmente, para alindar Romariz com bandeiras e afeiçoar acessos, aprimorando o monte e toda a envolvência à Senhora da Pedra. E existia um pormenor importantíssimo, desde o alvorecer do primeiro dia do fim-de-semana escutava-se uma instalação sonora emitindo música da atualidade, os sucessos do momento. Após o almoço, assistia-se a um corre-corre e a uma espécie de discos despedidos improvisados. O homem de altifalantes obedece a um ritual «imposto» pela Comissão de Festas e vai acedendo aos sucessivos pedidos de quem pede esta ou aquela canção. As mais pungentes eram, sem dúvida, aquelas que pintavam a saudade dos filhos a lutar em África pela Pátria amada.

O domingo de manhã sonhava-se no coração da vida das pessoas: cumpria-se uma das frações da parte religiosa – a missa com sermão solene. O padre Meireles tinha o condão de no sermão fazer chorar as pedras e era norma ver correr pelas faces uma onda mais revolta ou uma gota de chuva mais teimosa.

No fim da missa solene os peregrinos davam-se às compras. A regueifa, os doces, a fruta, uns brinquedos e o almoço que o cabrito assado no forno e a família estavam à espera.

À sombra das ramadas dispunham-se as mesas, bancos corridos e colocavam-se toalhas, pratos, copos e talheres. As canecas de vinho só na hora é que iam para a mesa, pois os garrafões descansavam na velha mina onde a frescura superava o mais sofisticado frigorifico.

Depois instalava-se a alegria e a óbvia confusão.

A meio da tarde rumava-se novamente à Senhora Santa Ana. A Procissão fechava o momento religioso. Saía da capela, saudava o oitocentista cruzeiro e persistia na caminhada por mais de um quilómetro, aí circundava um tosco cruzeiro, profusamente florido, recolhendo a casa.

Depois escutava-se com deleite a banda de música. Este momento era imperdível. O silêncio pontuava e não existia músicos que não tivessem saudades de virem a Santa Ana.

A derradeira surpresa consistia num doce apetecido pela generalidade. Alma alguma arredava pé. Todos esperavam o desenlace dos lances do leilão das prendas do bazar. E algumas eram licitadas com fervor e galhardia. Havia quem as oferecesse e fizesse questão de as voltar a ter em casa, assim como havia quem fizesse perrice de as ter, precisamente, por essa razão. Daí a beleza em presenciar o evento.

O fogo-de-artifício marcava o fim da festa.

Nos anos mais recentes o figurino da festa alterou-se. Noitada na sexta, no sábado e no domingo. Artistas a atuar. Outros tempos.

Este fim-de-semana é tempo de Santa Ana.



publicado por José Carlos Silva às 13:15 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds