Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

St.ª Eulália de Barrosas já foi Vila, já foi concelho com Julgado próprio.

         Situada em aprazível vale entre dois pequenos montes (a este, o Choqueiro e oeste o Pena Vesteira), é terra fértil.

         É um povoamento pré - romano e lugares como “Barreiro”, “Barroca” e “Barro”, confirmam que Barrosas e o seu sentido se ligam com o barro.

         O lugar de “Assento” é hoje apenas o nome de uma Quinta, mas já quis dizer o assento de uma “Vila”.

         No séc. X, o conde Ermenegildo Gonçalves, filho herdeiro do conde Gonçalo Betores e condessa D. Teresa, aparece como possuidor de grande parte destas terras, não com o nome de Barrosas, mas de St.ª Eulália.

         St.ª Eulália de Barrosas foi curato de St.ª Marinha da Costa. E “não tem sacrário e he seo cura o Padre Manoel Borges de Saá; he igreja, que ainda se anda fazendo. Tem só cappella filial; a de Alexo, no lugar da hermida, fabricada pellos relligiosos de St.ª marinha da Costa.”[1] 

         Em 1927, e por decreto n.º 13:917 de 9 de Julho, o concelho de Louzada pertencia à comarca de Felgueiras. Até esta data Louzada era cabeça de comarca, distrito administrativo, dioc. e rel. do Porto, província do Douro.

         Foi sede do antigo concelho de Barrosas, extinto pelos decretos de 30 de Junho de 1852, e 31 de Dezembro de 1855, e passando por este último ao concelho de Lousada.

         É composta dos seguintes lugares: Bacelo de Baixo, Barreiro, barroca, Barros, Boavista, Bouça, Campo, Carreira Chã, Bouças, Casa Nova, Caselho, Casal, Cruz, Devesinha, Enfistela, Ermida, Fonte de Baixo, Fonte de Cima, Herdade Lamela, Latada, Mandamentos, Marco de dentro, Marco de Fora, Mata, Mondim, Monte, Nogueira, Outeiro, Outeiro de Baixo, Outeiro de Mão, Pereiros, Penedo, portelas, Prados, Quintans, Quinteiro, Quintela, Ramada Ramilo, Requeixos, Residência, Sub - Nogueira, Souto, Souto Longo e ferreiros.

         Teve Casais - Água Levada, Cabreiro, Carreiro, Senra, Covelo, Lavandeira, Pomares, Pomarelhos, Pousada, Rebordelho de Baixo, Rebordelho de Cima, Rompecias, Taipa, Telhado, Torre, Venda e Vila Pouca.

         Tem as Quintas - Assento, Boeira, Carreiro, Casais, Costinha, Curtinha, eira Vedra, Pia de Baixo, Pia de Cima, Porta, Pousada, Ribeira, Rielho, Sá e Vila Pouca.

         Em 1531, Santa Eulália de Barrosas, pertencia ao Duque de Bragança, que tinha o senhorio da Vila de Guimarães e seu termo e que só nesta data foi arrolada. Tinha 73 moradores. Em 1868 já tinha 258 fogos.

         No ano de 1706 tinha 100 fogos e em 1862 242 fogos e 1040 habitantes. Já em 1864 albergava 963 habitantes.

         O censo de 1890 diz-nos que havia 285 fogos e 1096 habitantes. Dez anos volvidos o n.º de habitantes é o mesmo e o n.º de fogos desce para 251.

         E em 1911, St.ª Eulália de Barrosas, conseguia Ter 1140 habitantes e 306 fogos.

         Já em 1993, esta freguesia conta com 4289 habitantes e em 1997 alberga 5500 pessoas.

         Em 1756 tinha uma capela e também nessa altura se andava a construir a sua igreja, já que “tem só capella filial, a de Alexo, no lugar de hermida, fabricada pelos relligiosos de St.ª Marinha da Costa.”[2]

         Actualmente, o lugar da Ermida, não tem qualquer vestígio de capela.

         St.ª Eulália de Barrosas - muito perto de Vizela e muito longe da Sede do concelho - tem crescido “sem rei nem roque” e por isso não é muito agradável ali viver. Qualidade de vida, praticamente não existe.

As Capelas de Barrosas (St.ª Eulália).

         St.ª Eulália de Barrosas já teve mais que uma capela.

         Uma delas foi no lugar da Ermida, a capela do Aleixo, que era fabricada pelos religiosos de St.ª Marinha da Costa.

         Isto, em 1756.

         Actualmente no lugar da Ermida não há capela alguma.

         Capela existe no lugar dos Milagres, que é a N. Sr.ª dos Milagres.

A capela de N. Sr.ª dos Milagres.

         Situa-se numa pequena elevação, junto à estrada, muito perto da fronteira de Barrosas (St.ª Eulália) com Vizela, defronte do “Intermarché” e no lugar dos Milagres. Está envolta em frondoso arvoredo e até é apetecível repousar um pouco à sua sombra, que é apetecível e espiritual.

Algumas Considerações Artísticas.

         A capela é formada por uma só nave e um retábulo em talha, com colunas torsas e tendo ao centro uma interessante imagem de N. Sr.ª dos Milagres. (Esta a imagem que nos deu das frestas insertas na porta de madeira que preenche o portal de entrada).

         É evidente que sofreu vários restauros ao longo dos tempos. E não tenho dúvidas em afirmar que recentemente - há poucos anos - sofreu uma intervenção já que as telhas, o telhado, que recobrem a sua cobertura mostram ainda sinais evidentes de um muito bom estado de conservação e um aspecto - que não deixa mentir - de que lá foram colocadas há poucos anos.

         É uma capela dos finais do séc. XVIII - inícios do séc. XIX porventura - uma construção em cantaria equilibrada. O entablamento não tem qualquer tipo de remate especial. O telhado de uma água tem por base a cimalha. A telha é vulgar e é do séc. XX (da actualidade).

         A cantaria não é rebocada, mas sim de junta tomada e fitada a branco.

         O alçado principal tem, ao meio, um portal de simples cantaria, e um pouco acima um oculo - já no timpano - com dois ferros em cruz e vidro martelado e baço. Frontão saliente recoberto pelo telhado e no seu cume uma elaborada cruz em cimento. Uma pequena sineta em torre sineira recente, logo acima da abertura em quadrifólio de construção recente.

         O alçado esquerdo apresenta um simples portal a meio. E num plano superior ao Portal, na direcção do alçado sul, rasgada no aparelho de granito, uma fresta (uma barra vertical e três horizontais - em ferro - e envidraçadas).

         No alçado sul nada há a realçar, a não ser a cantaria de junta tomada e fitada a branco e as pilastras salientes com a base e capitel trabalhadas.

         No alçado direito não há elementos alguns a assinalar.

         Esta capela sofreu - de certeza absoluta - intervenções que lhe subtraíram elementos arquitectónicos originais.

         Uma coisa é evidente, parece ser uma capela do séc. XVIII.

 

 

 

 

 

 


[1] Leal, Pinho; Portugal - Antigo e Moderno, 1909 e Craesbeeck, Francisco, Memórias Ressuscitadas, 1726, cap. 24.

[2] Craesbeeck, Francisco, Memórias Ressuscitadas, 1756, cap. 24.

 

 

 

IN Capelas Públicas de Lousada



publicado por José Carlos Silva às 16:50 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

A festa em honra de Sant’...

Lousada Antiga

As capelas

Padre Joaquim António de ...

Feliz de Mendonça Baldaia...

Dote de casamento do Dr. ...

Casa D' Além-Romariz (Mei...

Casa D’ Além ou de Romari...

A coisa que mais me dói, ...

Doutor Joaquim Augusto da...

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds