Domingo, 15.01.12


tags:

publicado por José Carlos Silva às 19:21 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13.01.12


tags:

publicado por José Carlos Silva às 18:32 | link do post | comentar

Sexta-feira, 06.01.12


tags:

publicado por José Carlos Silva às 18:44 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.12.11


tags:

publicado por José Carlos Silva às 22:06 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14.12.11


tags:

publicado por José Carlos Silva às 21:08 | link do post | comentar

Terça-feira, 13.12.11


tags:

publicado por José Carlos Silva às 17:14 | link do post | comentar

Domingo, 16.10.11

 

 

A freguesia de Boim está integrada no concelho de Lousada, distrito do Porto, está praticamente absorvida pela parte urbana da sede concelhia. Abrange ainda superfície territorial de 3,4 km2, confronta com as freguesias de Meinedo, Pias, Silvares, Cristelos, Nespereira e Lodares. Dista da sede concelhia 2km. Quanto ás informações e testemunhos sobre o passado desta freguesia são muito escassos. Provavelmente teve povoamento anterior à Nacionalidade, todavia testemunhos comprovativos não existem.

Origem do nome Boim

Boim é uma das mais antigas povoações do concelho de Lousada, tendo raízes na civilização Celta. Porém a origem do nome "Boim" tem duas possibilidades, uma delas é a seguinte:

- A freguesia chamou-se antigamente de "Goim", que era palavra celta com significado "agarico", um cogumelo sagrado para esse povo primitivo. No sexto dia da Lua de Dezembro organizava-se há muitos séculos uma procissão sagrada, com cânticos e orações, até ao majestoso carvalho que se encontrava onde é hoje a Casa de Boim. Nessa árvore crescia o "agarico". O sacerdote colhia alguns pedaços de Goim, que os seus acólitos apanhavam em toalhas de linho. Seguia-se um lauto repasto onde os cogumelos "agaricos" eram confeccionados com carne. Depois dos Celtas, passaram pela região outros povos, como os Visigodos, os Árabes e os Romanos, que foram adaptando a designação da freguesia aos seus idiomas, pelo que "Goi" passou para "Goim" e "Guym", depois para "Aboim" e finalmente para "Boim".

- A outra teoria defendida pelo grande erudito da linguística, Padre Francisco Peixoto, refere que "Boim" é o genitivo latino do nome pessoal celta "Abolinus", que pela regra linguística da queda das sílabas brandas com o decorrer do tempo resultou no actual nome da freguesia. "Abolinus" ou "Abolini", era o nome de um chefe Celta de grande relevância que aqui existiu muito antes de Portugal existir como país. No vocábulo "Abolini" actuaram, não ´so as leis naturais da glótica, do ouvido e do tempo, mas também as irrupções dos bárbaros, suevos e godos, árabes e leoneses, que perturbaram e mesclaram a vida política, os costumes e a língua dos nossos antepassados.

Boim há 50 anos

Nem só os séculos mais distantes marcaram a História da freguesia. Há 50 anos, por exemplo, Boim viveu tempos de profundo enraizamento dos laços sociais, contribuindo para a afirmação da sua identidade social. Nesse tempo, a localidade era pautada pela grandeza de carácter de pessoas que ficaram na História de Boim. Foi o caso do pároco Francisco da Cunha Sousa Moura, que imprimiu à paróquia um cariz empreendedor e de devoção. Na área do ensino, a escola permitiu a várias gerações adquirir ensinamentos e atitude perante a vida. Pela sabedoria e postura distinguiram-se as professoras, que permanecem na memória da freguesia: D. Maria Natália de Bessa Pacheco e D. Maria Pereira de Sousa Carvalho.

Nas vertentes política e autárquica, essa era uma época marcada pela presidência da Junta de Freguesia, a cargo do conterrâneo Joaquim Teixeira Pacheco. Daquele importante organismo público faziam também parte Domingos Ferreira de Bessa, que desempenhava as tarefas de Secretário, e José Pereira Garcês, que fazia funções de Tesoureiro da Junta, cargo que acumulava com o Regedor da Freguesia. Também de grande relevo para a vida social da freguesia foram as mercearias de Luís dos Santos Oliveira Pacheco e de Manuel Ferreira de Bessa.

De referência fundamental e indespensável são também o detentor do primeiro telefone, com o número 1002 na freguesia, Joaquim Pacheco Machado, que se norabilizou sobretudo pela dinamização da actividade agrícola que muito beneficiou o povo da freguesia e arredores.

 S. Vicente, o mártir espanhol

Foram os beneditinos que atribuíram, no século XII, o orago de S. Vicente à localidade de Boim. Nascido em Huesca, em Espanha, Vicente dedicou-se desde novo ao estudo da Sagrada Escritura e depressa recebeu do seu bispo a sagrada ordem de Diácono e com ela o mandando em pregação. O seu apostolado a favor do Cristianismo rapidamente fez seguidores e fiéis, razão por que foi preso e conduzido à presença do governador pagão chamado Daciano. Em vão o tentaram afastar da sua fé, primeiro com promessas lisonjeiras e depois com suplícios atrozes. Foi colocado numa grelha, passado sobre carvão ardente, dilacerado com unhas de ferro e queimado com lâminas incandescentes. Moribundo, foi levado para uma cela da prisão. Do seu corpo irradiava uma luz estranha. Levado novamente perante o governador, este temeu ainda mais o poder da fé de Vicente. Tenotu seduzi-lo a abraçar o aganismo, desta vez por meio de prazeres, já que com tormentos nada pudera conseguir. Mas, agarando-se à fé em Jesus Cristo, que tanto amou e por quem tanto sofreu, Vicente tudo venceu. Diz a lenda que a sua alma voou para o céu, onde recebeu de Deus a palma vitória. S. Vocente é um importante patrono de valores como a persistência e pureza, sendo sobretudo invocado como defensor contra a varíola.

 S. Jorge, o milagreiro inglês

O culto a S. Jorge é posterior ao de S. Vicente, embora também tenha surgido no Século XII, por influência dos ingleses que se estabeleceram no nosso país durante o auxílio que as suas cruzadas prestaram a D. Afonso Henriques na luta contra os mouros. Trata-se de um culto de carácter mais pagão e menos religioso que aquele que é feito em relação a S. Vicente. O "grito de guerra" que se usava naqueles primórdios de Portugal contra os mouros era "Por S. Tiago!", mas os vizinhos castelhanos também tinham o mesmo advogado nas batalhas. Por um lado, a grande rivalidade entre lusitanos e castelhanos, e por outro lado, a influência dos aliados ingleses, foram factores que levaram a alterar o seu grito de coragem e fé nas batalhas, ficando então "Por S. Jorge!". Especial padroeiro dos guerreiros, principalmente da cavalaria e do escutismo, S. Jorge foi desde sempre muito invocado na região em geral e em Boim em particular como o advogado milagreiro dos animais de cativeiro.

População

Em termos demográficos, Boim tem vindo a apresentar um aumento muito significativo do seu número de habitantes. Por volta do início do século XIX, a freguesia apresentava uma densidade populacional de 370 habitantes, distribuídos por 70 fogos. Meio século depois a freguesia tinha 318 habitantes, distribuídos por 100 fogos. Em 1991 a freguesia registava um enorme aumento comparativamente com o século XIX, consistindo em 1341 residentes e 10 anos mais tarde, consistia em 2262 residentes distribuídos por 800 alojamentos.

A população dedica-se, na sua maioria, à Indústria Têxtil, Indústria do Calçado, Metalúrgica e Construção Civil, áreas que numa análise geral, caracterizam a vida económica de todo o Concelho. Existe algum comércio, sobretudo nos ramos alimentar e automóvel. A agricultura é escassa.


tags:

publicado por José Carlos Silva às 16:12 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

Boim

Boim

Boim

Boim

Boim

Boim

Boim

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds