Terça-feira, 09.08.11

Fonte das Sete Bicas - Boim - Lousada



publicado por José Carlos Silva às 22:05 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14.04.11

Etimologia de Boim

 

“Gui é palavra celtica. Significa - agarico, planta parasita. O agarico colhido nos carvalhos, era para os Celtas e galhos - celtas, uma planta sagrada. Vem pois ser o nome primitivo d’esta freguesia - povo - ação de agarico.”[1] 

_________________________

[1] Leal, Pinho; Portugal - Antigo e Moderno.

Situação

         A cerca de 2 Km da Sede do concelho, na direcção sul - sudoeste, encontra-se a freguesia de Boim. É freguesia da província do Douro, comarca e concelho de Lousada; 35 Km ao N. E. do Porto e 335 ao Norte de Lisboa. Tem 813 hectares de terra, sendo uma pequena parte pertencente à zona urbana da Vila. A norte da freguesia passa o rio Sousa.

Orago

O seu orago é S. Vicente; mártir. A Boim, referem-se-lhes as Inquisições de 1258 denominando-a S. Vicente de Boim, derivando o nome do orago que é venerado a 22 de Janeiro, na sua igreja de fundação pré - nacional e que pertenceu ao Mosteiro de St.º Tirso e aos filhos e netos de D. Guiomar Mendes, filha do Conde D. Mendo. Segundo o Censual do Cabido Portuense, dos princípios do séc. XIV, cita-a no arcediago de Meinedo.

S. Vicente é o seu orago, mas é a S. Jorge que os habitantes de Boim rendem as suas homenagens, tendo por este Santo uma ilimitada devoção.  

Situação administrativa

Era antigamente da extensa comarca de Barcelos. Desde de 9 de Julho de 1927 e por decreto n.º 13:917 o concelho de Louzada pertencia à comarca de Penafiel. Pertenceu à casa de Bragança, e tinha todos os privilégios dos seus caseiros. Os frades bentos do Convento de St.º Tirso de Riba d’Ave, apresentavam aqui o cura que tinha de renda 200$000 réis. Boim pertence ao bispado do Porto.

Lugares

É composta pelos seguintes lugares: Arcas, Ameixieira, Assento, Barroca, Bica, Campos, Carcavelos, Cima de Vila, Igreja, Eiras, Corgas, Corgo, Costa Nova, Costa Velha, Engenho, Ermeiro, Fonte, Gerovila, Guim, Laje, Lameiro, Marrelém, Monte, Outeirinho, Outeiro, Peitugueiro, Penedo, Poupa, Presa, Real, Reguengo, Residência, Sedoira, Tapadas, Tapado, Tunim, Varanda e Vila Chã. Tem as quintas de Campos e de Sá.

Habitantes

Em 1706 tem 58 fogos, já em 1868 tinha 100 fogos.      Em 1862 albergava 282 habitantes distribuídos por 87 fogos. E dois anos volvidos (1864), mantinha o mesmo número de fogos, mas o número de habitantes tinha aumentado para 350. Em 1890 comportava 92 fogos e 392 habitantes e em 1900 tinha menos três fogos e 346 pessoas. Em 1909 tinha 100 fogos, segundo Pinho Leal. No ano de 1911 há em Boim 95 fogos e 401 habitantes. E em 1951contava com 686 fregueses. Em 1997 comporta 2900 residentes.

 

 

Igreja

É de fundação pré - nacional, actualmente é uma igreja pequena, com um altar em cada um dos extremos dos corpos da igreja que perpendicularmente se conjugam se num só Templo de antiguidade considerável.

Capela de S. Jorge

Possui uma única capela pública. A Ermida de S. Jorge que coroa o pitoresco e aprazível monte, que recebeu o nome, onde em cada terceiro Domingo do mês de Abril se realiza e se festeja pomposamente uma romaria que é muito concorrida. S. Jorge é o Santo protector do gado, havendo pois a benção dos animais, principalmente bovinos. Estes enfeitados a preceito, dão umas voltas à capela. Este ritual está a cair no esquecimento.

A capela de S. Jorge foi restaurada e ampliada nos anos 1991/92, sendo-lhe acoplado um aumento em betão e num estilo bem modernista que “choca” pelo evidente contraste, mas que a freguesia aceitou sem dificuldades.

Solares

A povoação de Boim não tem grandes casas brasonadas. Tem contudo, dois solares - A Casa da Fonte e a Casa de Boim. No primeiro nasceu e viveu aquele que foi bispo do Porto - D. António Augusto Castro Meireles.

Figuras Ilustres 

“De entre os homens de igreja devemos salientar Dr. António Augusto de Castro Meireles, formado em Teologia e Direito, que foi Bispo de Angra de Heroísmo e do Porto. Orador Sagrado brilhante, dedicou a sua vida à Igreja e ao seu ministério.”[2] 

Miradouro

Boim, visto do alto de S. Jorge, denota aos olhos (de quem ali sobe) uma paisagem verdejante que transborda para as freguesias de Meinedo, Pias, Silvares, Cristelos, Nespereira, Lodares e Bustelo (concelho de Penafiel), que a circundam e lhe dão continuidade, até ao horizonte, de vitalidade e lavor campestre.

 

SILVA, José Carlos, As Capelas Públicas de Lousada, Universidade Portucalense, 1997

 

 

 

 

 

 

 


 

[2] Lousada, A Vila e o Concelho, Ed. Câmara Municipal de Lousada, p. 48 e 49.



publicado por José Carlos Silva às 18:36 | link do post | comentar

Sábado, 14.08.10

         A cerca de 2 Km. da Sede do concelho, na direcção sul - sudoeste, encontra-se a freguesia de Boim.

         Tem 813 Hect. de terra, sendo uma pequena parte pertencente à zona urbana da Vila.

         Antigamente “Gui” e depois “Goi”, é freguesia da província do Douro, comarca e concelho de Lousada; 35 Km. ao N. E. do Porto e 335 ao Norte de Lisboa.

         Em 1909 tinha 100 fogos, segundo Pinho Leal.

         Desde de 9 de Julho de 1927 e por decreto n.º 13:917 o concelho de Louzada pertencia à comarca de Penafiel.

         O seu orago é S. Vicente; mártir. Era antigamente da extensa comarca de Barcelos.

         Pertenceu à casa de Bragança, e tinha todos os privilégios dos seus caseiros.

         Os frades bentos do Convento de St.º Tirso de Riba d’Ave, apresentavam aqui o cura que tinha de renda 200$000 réis.

         A norte da freguesia passa o rio Sousa.

         “Gui é palavra celtica. Significa - agarico, planta parasita. O agarico colhido nos carvalhos, era para os Celtas e galhos - celtas, uma planta sagrada. Vem pois ser o nome primitivo d’esta freguesia - povo - ação de agarico.”[1] 

         É composta pelos seguintes lugares: Arcas, Ameixieira, Assento, Barroca, Bica, Campos, Carcavelos, Cima de Vila, Igreja, Eiras, Corgas, Corgo, Costa Nova, Costa Velha, Engenho, Ermeiro, Fonte, Gerovila, Guim, Laje, Lameiro, Marrelém, Monte, Outeirinho, Outeiro, Peitugueiro, Penedo, Poupa, Presa, Real, Reguengo, Residência, Sedoira, Tapadas, Tapado, Tunim, Varanda e Vila Chã.

         Tem as quintas de Campos e de Sá.

         Em 1706 tem 58 fogos, já em 1868 tinha 100 fogos.

         Em 1862 albergava 282 habitantes distribuídos por 87 fogos. E dois anos volvidos (1864), mantinha o mesmo número de fogos, mas o número de habitantes tinha aumentado para 350. Em 1890 comportava 92 fogos e 392 habitantes e em 1900 tinha menos três fogos e 346 pessoas. No ano de 1911 há em Boim 95 fogos e 401 habitantes. E em 1951contava com 686 fregueses.

         Actualmente tem 2900 residentes.

         Boim pertence ao bispado do Porto.

         “De entre os homens de igreja devemos salientar Dr. António Augusto de Castro Meireles, formado em Teologia e Direito, que foi Bispo de Angra de Heroísmo e do Porto. Orador Sagrado brilhante, dedicou a sua vida à Igreja e ao seu ministério.”[2] 

         A Boim, referem-se-lhes as Inquisições de 1258 denominando-a S. Vicente de Boim, derivando o nome do orago que é venerado a 22 de Janeiro, na sua igreja de fundação pré - nacional e que pertenceu ao Mosteiro de St.º Tirso e aos filhos e netos de D. Guiomar Mendes, filha do Conde D. Mendo. Segundo o Censual do Cabido Portuense, dos princípios do séc. XIV, cita-a no arcediago de Meinedo.

         A igreja de Boim, actualmente, é pequena, com um altar em cada um dos extremos dos corpos da igreja que perpendicularmente se conjugam se num só Templo de antiguidade considerável.

         Possui uma única capela pública. A Ermida de S. Jorge que coroa o pitoresco e aprazível monte, que recebeu o nome, onde em cada terceiro Domingo do mês de Abril se realiza e se festeja pomposamente uma romaria que é muito concorrida. S. Jorge é o Santo protector do gado, havendo pois a benção dos animais, principalmente bovinos. Estes enfeitados a preceito, dão umas voltas à capela. Este ritual está a cair no esquecimento.

         A capela de S. Jorge foi restaurada e ampliada nos anos 1991/92, sendo-lhe acoplado um aumento em betão e num estilo bem modernista que “choca” pelo evidente contraste, mas que a freguesia aceitou sem dificuldades.

         Boim, visto do alto de S. Jorge, denota aos olhos (de quem ali sobe) uma paisagem verdejante que transborda para as freguesias de Meinedo, Pias, Silvares, Cristelos, Nespereira, Lodares e Bustelo (concelho de Penafiel), que a circundam e lhe dão continuidade, até ao horizonte, de vitalidade e lavor campestre.

         A povoação de Boim não tem grandes casas brasonadas. Tem contudo, dois solares - A Casa da Fonte e a Casa de Boim. No primeiro nasceu e viveu aquele que foi bispo do Porto - D. António Augusto Castro Meireles.

         A agricultura, as confecções, o calçado, a metalúrgica, etc., são os sectores onde se empregam os habitantes de Boim.

         Uma Associação e uma Fanfarra são os locais e os veículos de que dispõe Boim para a recreação e o lazer.

         Boim é terra que encerra um povo laborioso e uma freguesia em franco progresso. As necessidades básicas são ainda uma carência latente.

         S. Vicente é o seu orago, mas é a S. Jorge que os habitantes de Boim rendem as suas homenagens, tendo por este Santo uma ilimitada devoção.  

 

A Capela de Boim.

 

         A freguesia de Boim tem uma única capela pública - S. Jorge.

         Esta capela fica situada no lugar de S. Jorge e no cume do monte que tem o seu nome.

         Ainda há menos de 30 anos (diria mais precisamente, há menos de 20 anos), não existia uma única casa a rodear (ou perto) a capela de S. Jorge. Nos últimos 15 a 20 anos, a capela de S. Jorge tem vindo a ser cercada de numerosas moradias, tendo perdido a sua aura de “inacessível”, de solidão.

 

 

 

A Capela de S. Jorge.

         Quem vem de Lousada (centro da Vila) e toma a estrada de Arcas - Boim em direcção a Meinedo, após o Cruzeiro (apesar das moradias que tapam a visão), cem metros volvidos vai deparar com o Monte de S. Jorge. Se se aventurar até ao alto, até ao cume, irá encontrar a Ermida de S. Jorge, actualmente ampliada. Ainda há pouco mais de seis anos era uma pequena e linda capela em granito do séc. XVIII. Em 1990/91, fizeram-lhe um acrescento no mais puro betão da modernidade.

         É em Abril que se realizam as festas em sua honra.

         S. Jorge é o Santo dos animais. Era (e é, só que cada vez menos) benzer os bovinos durante a missa solene da romaria em sua honra.

 

Algumas Considerações Artísticas.

 

         A capela, formada por uma nave e capela - mor. A capela - mor, do séc. XVIII, primeira metade, e a nave, nova, da década de 90, moderna, a de betão.

         Ao longo dos anos foi sofrendo intervenções, a última que lhe escondeu a maior parte das suas potencialidades arquitectónicas, foi em 1991/92.

         Não consegui saber ao certo a data da sua construção, pelas características que apresenta - a ermida primitiva - é do séc. XVIII, o acrescento em betão é de 1991/92 e quase que “matou” a beleza da pequena ermida setecentista.

         Está bem preservada.

         Quem fez este último restauro e ampliação foi uma das Comissões das Festas de S. Jorge e na nova “torre” ficou gravado esse gesto. Este gesto pode entender-se como a afirmação de prestígio daqueles homens na comunidade local.

         A análise artística tem que ser feita em três tempos distintos: - do seu todo, da ampliação moderna e da estrutura primitiva.

         Se olharmos actual alçado principal - na direcção sul - veremos uma fachada em betão, ferro e vidro.

         A meio da fachada principal deparamos com a estrutura - horizontal - de ferro e vidro. O portal de entrada é sobrepujado pela parte terminal da cruz, esta inicia-se no próprio portal (na justa junção do mesmo).

         Este alçado principal - a sul - é a expressão artística da modernidade actual.

         Olhando-se melhor, vislumbra-se a cruz luminosa que se encontra mesmo à frente do alçado norte, numa “torre” plena de modernidade e também em betão. O alçado direito deixa-nos ver uma parede em betão cortada a meio e na horizontal por uma estrutura em metal e vidro, e esta não atinge a parte total desta nova nave, havendo um espaço que remata, mas só em betão. O encontro da nova estrutura em betão com a fachada principal da ermida de S. Jorge (séc. XVIII) é feito através de uma meia - lua em betão, havendo a parte plana - tipo espelho - em ferro e vidro.

         Esta estrutura em ferro e vidro funciona como veículo de iluminação natural da moderna nave da capela de S. Jorge.

         Este alçado dá-nos ainda a visão de parte do seu frontão, e no seu topo, assente numa base em granito, uma cruz que encima aquela que era a fachada principal da Ermida de S. Jorge, que deixou de ser vista, mas que não desapareceu. Quem entra no Templo logo vê a antiga fachada que dá acesso à nave primitiva.

         É também visível o aparelho granítico, o telhado de uma água, as pedras de juntas tomadas, já foram rebocadas. Assim como se vê, parte do frontão do alçado norte, a sua cruz em base granítica e o remate do entablamento em pirâmide de cantaria trabalhada.

         Igualmente se vê a parte superior da “torre” em betão, com coreto, e no seu topo uns altifalantes que dão as horas, e mesmo no cume uma artística cruz em fibra branca que se ilumina durante a noite.

         Quem olha o alçado esquerdo tem a mesma visão da actual ermida que foi referida para o alçado direito.

O alçado norte dá-nos uma perspectiva algo contrastante.  

         Mesmo à sua “frente” temos uma “torre” em betão, assente numa “almofada”, numa base, com dois degraus, “torre” que tem uma balaustrada em betão, perto do seu topo, altifalantes e uma artística e branca cruz na sua parte final e que tem por base os altifalantes, servindo esta para iluminar o Monte de S. Jorge e tranquilizar e espírito de todos aqueles que residem em Boim. Nesta torre, quase na base em letras douradas “Fundadores, Comissão de Festas S. Jorge - 1992.”

         Olhando-se em frente depara-se com o alçado norte da antiga ermida em cantaria de junta tomada. Não se consegue ver a cruz que encima o frontão (é completamente tapado pela “torre” em betão). Vê-se sim que o remate do entablamento é feito por duas pirâmides em granito e trabalhadas em extremos opostos.

         Quem olha, a partir do alçado norte, vê na perfeição, o equilíbrio do “encaixe” da meia-lua em betão, com a fachada principal da ermida primitiva.

         Quem olha a capela de S. Jorge de Boim tem um “choque”. Ao primeiro olhar, até parece que quem perdeu foi a antiga Ermida. E “perdeu”. A nova estrutura oprime o seu real valor arquitectónico. Mas por outro lado quase que obriga os romeiros, turistas e estudiosos a olharem com mais atenção a ermida em cantaria que faz com o betão uma dinâmica e um dualismo contrastante.



[1] Leal, Pinho; Portugal - Antigo e Moderno.

[2] Lousada, A Vila e o Concelho, Ed. Câmara Municipal de Lousada, p. 48 e 49.



publicado por José Carlos Silva às 20:18 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

Fonte das Sete Bicas

Boim

Boim

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds