Segunda-feira, 08.08.11

É já hoje e amanhã que se festejam as tradicionais festas em honra de Santo Ovídio. Estas acontecem na vetusta freguesia de Aveleda que ostenta um rico e diverso património: igreja românica do séc. XIII, capelas do séc. XVIII e diversas casas nobres. A festa de Stº Ovídio é sempre um dos momentos mais importantes da localidade. A sua feira é secular.Nestes dois dias é visitada por muita gente.



publicado por José Carlos Silva às 12:28 | link do post | comentar

Domingo, 07.08.11

Para mim era um acontecimento de primeira grandeza. Acontecia - como ainda acontece – no primeiro domingo após as Festas Grandes do Concelho de Lousada (em honra de Nosso Senhor dos Aflitos). Era sempre esperado com grande ansiedade e emoção.

Mal Agosto despontava eu sabia que surgiam as Festas em honra de Sant’ Ana. Para mim era um misto de alegria e de euforia. Há mais de duas décadas eram um tal encantamento.

Eu vivia em Romariz, um lugar da freguesia de Meinedo, deste ridente concelho de Lousada. De minha casa vislumbrava a pequena e erecta capela de Sant’ Ana fixa numa penedia desde o século XVIII. (Capela que por isso mesmo é também conhecida por capela da Pedra. Foi restaurada diversas vezes e num desses restauros ampliada - séc. XX.).

 

 

 

Desde pequenino que tenho uma veneração por Sant’ Ana e por aquela Romaria. (E mesmo por aquele local: muitas foram as vezes que por ali passeei.).

Em dias de Romaria galgava o monte até á capelinha e presenciava todos os preparativos para a festa. A colocação das bandeiras do monte de Santana até à casa da quinta com o mesmo nome. A construção do bazar (todo em madeira) para leiloar as prendas, do palco, para a actuação do rancho e do conjunto típico e da instalação das luzinhas multicores, que era o que mais eu gostava.

Mas o que mais chamava para a romaria eram dois motivos imprescindíveis: a aparelhagem sonora (altifalantes), que difundiam a música da actualidade, aquela que passava na rádio, assim como dedicavam discos às pessoas, facto muito apreciado; o segundo: os foguetes, estes despertavam a atenção e o agrado de todos. Havia ainda um terceiro factor: os tamborileiros, que percorriam todos os lugares da freguesia arrecadando dinheiro ou prendas para custear a romaria. Os custos estava, igualmente, ao cargo de um juiz e dos festeiros, estes últimos faziam os peditórios na freguesia. O juiz desembolsava do seu bolso os custos da festa. O prato da festa era para a igreja.

Recordo que mal ouvia os altifalantes lá ia eu para a capelinha. E assistia a tudo. No sábado lavava-se o rosto ao monte e caminhos de acesso à capela e ornamentava-se tudo com as bandeiras multicolores. Adorava ver aquilo tudo.

Ao fim da tarde começavam a instalar-se as barraquitas de quinquilharia, de comes e bebes e pouco mais.

Era uma festinha pequena.

À noite a noitada terminava sempre cedo: à meia-noite estouravam duas dúzias de foguetes com lágrimas. Que lindo! E eu sonhava com a noitada encantado. Contava seis, sete ou oito anos…

No domingo, de manhã, o monte de Sant’ Ana fervilhava de povo. Havia mais tendas e barracas: fruta, doces, bebidas, churrasco, jogos, malha, jogo do galo, etc. Era tempo da Missa Solene. Presidia o Padre Meireles. Belo sermão, como sempre.

Alma lavada, emoções do sermão esquecidas, regueifa e uvas compradas, e casa, o cabrito assado e o arroz no forno estão à espera.

A meio da tarde, a Procissão Solene. O monte de Santana é um pleno momento de fé. A procissão estende-se até a um cruzeiro de madeira improvisado onde hoje se situa a Fábrica da Cerveja (limite da freguesia).

Disse adeus a Sant`Ana, assiste-se ao despique da venda das prendas do bazar e olha-se o relógio. Está na hora de regressar a casa e jantar. Compra-se umas cavacas, uns rosquilhos, etc., e mais logo regressa para ver o rancho e fechar a festa.

Jantar em família. Ida à noitada. Um rancho de que já não recorda o nome mostra o que vale. As pessoas (poucas – segunda-feira é dia de trabalho) gostam.

Por último, o fogo-de-artifício. Espectacular! E a festa estava no fim. Há quarenta anos ou mais era assim, que me lembre. E eu gostava. Por acaso hoje é a Romaria em Honra de Sant’Ana.

 



publicado por José Carlos Silva às 15:23 | link do post | comentar

Domingo, 06.06.10

 

Com a costumada pompa realisou-se no dia 10 do corrente a tradicional romaria de S. Gonçalo, na freguezia de Macieira, d’ este concelho.

No dia 9, à noite houve a missa cantada a grande instrumental, sermão, procissão e bazar. De tarde e até á noite, houve no largo fronteiro à capella um importante arraial, queimando-se muito fogo e tocando uma banda de música.

Como é a primeira romaria do anno foi ella muito concorrida de forasteiros. Fizeram bom negócio os doceiros, padeiros e outros vendedores ambulantes que costumam frequentar estes arraiaes.

Jornal de Louzada, 12 de Janeiro de 1908, nº 23, p. 2


tags:

publicado por José Carlos Silva às 22:58 | link do post | comentar

Quarta-feira, 02.06.10

Em 1910, segundo o Jornal de Lousada, a festa de maior relevância em Lodares foi em honra de Nossa Senhora das Neves.

A 18 de Setembro de 1910 noticiou, na sua página 3, número 161, que a festa em honra de Nossa Senhora das Neves teria lugar na freguesia de Lodares e com o alto patrocínio do senhor José Freire (da Casa de Sequeiros), e a música seria a de Riba Ul – Oliveira de Azeméis, de que era regente – Manuel José de Pinho, que compôs uma música original de propósito, para a missa solene. A música de Riba Ul – Oliveira de Azeméis, era a primeira que estava na região, e era afamada.

Os oradores foram o Abade de Anta e Manuel Soares Pinheiro: professor do Seminário dos Carvalhos. A festa em honra de Nossa Senhora das Neves teve direito a procissão.

Jornal de Lousada, 18 de Setembro de 1910, p. 3, nº 161


tags:

publicado por José Carlos Silva às 00:53 | link do post | comentar

Sábado, 01.05.10

Em 1910, segundo o Jornal de Lousada, a festa de maior relevância em Lodares foi em honra de Nossa Senhora das Neves.

A 18 de Setembro de 1910 noticiou, na sua página 3, número 161, que a festa em honra de Nossa Senhora das Neves teria lugar na freguesia de Lodares e com o alto patrocínio do senhor José Freire (da Casa de Sequeiros), e a música seria a de Riba Ul – Oliveira de Azeméis, de que era regente – Manuel José de Pinho, que compôs uma música original de propósito, para a missa solene. A música de Riba Ul – Oliveira de Azeméis, era a primeira que estava na região, e era afamada.

Os oradores foram o Abade de Anta e Manuel Soares Pinheiro: professor do Seminário dos Carvalhos. A festa em honra de Nossa Senhora das Neves teve direito a procissão.

 

Jornal de Lousada, 18 de Setembro de 1910, p. 3, nº 161



publicado por José Carlos Silva às 23:11 | link do post | comentar

mais sobre mim
Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31



contador visitas en mi web
posts recentes

Santo Ovídio

Hoje é a Romaria em Honra...

Romaria: S. Gonçalo

Romaria de Nossa Senhora ...

Romaria

arquivos

Agosto 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

tags

1910

a igreja de são vicente de boim

a igreja _alvarenga

a paróquia de boim: breve enquadramento

adcl_lodares_lousada

adeus

alferes

almotacé

alvarenga

alvarenga_lousada

anthero pacheco da silva moreira

antónio

anúncio

aparecida

artesanato

artigos

aveleda

bibliografia

boa noite

boim

boim_lousada

caíde

caíde_lousada

calvário

caminho _de_ ferro_ de_ penafiel _á_ lix

caminho_de_ferro

capela

capela da fonte - boim

capelas

capelas_ públicas_lousada

capelas_de_lousada

capitão

capitão_mor

cargos e profissões dos proprietários de

carta

casa

casa da bouça (nogueira)

casa da lama

casa da quintã

casa de monte sines

casa de sequeiros

casa de sequeiros - lodares

casa _ vilar_lodares_lousada

casamento - joaquim da silva netto com d

casa_da_lama_lodares_lousada

casa_de_real_ficha

casa_do_vilar

casa_vila _verde

collegio_de_bairros

concelho

couto

covas

cristelos

crónicas

cruzeios_lousada

cruzeiros

cruzeiros_lousada

da

de

despedidas

desporto

do

donativo

eleição

eleição_ abdicação

em 1907.

enlace

escola

festa

figueiras

i congresso internacional da rota do rom

igreja paroquial de cristelos / igreja d

igreja paroquial de figueiras / igreja d

igreja: stº estevão de barrosas

iii jornadas de história local

lodares

lodares_lousada

lousada

meinedo

memória

memória_paroquial

moinho

moinhos

nespereira

nevogilde

nogueira

nossa

padre

paisagem_edificada_lousada

política

ponte _de_ vilela

ponte_espindo

porto

quaresma

reverendo

romaria

rota_românico

senhora

títulos

universidade de coimbra

todas as tags

links
subscrever feeds